domingo, 8 de maio de 2011

O Sorriso de Deus



“O poder é a capacidade que os homens têm de criar para os outros um destino, essa é a essência da sua perversão” 
António Alçada Baptista

Um ano após, estou de regresso a este meu recanto partilhado publicamente, sem chave de acesso, nem malabarismos pérfidos, onde partilho algumas ideias sobre a visão que tenho (sinto) das várias facetas e prismas projectadas num imenso écran a que chamamos sociedade.

Neste último ano a panóplia de patologias sociais foi exponencial, numa das fases mais redutoras do desenvolvimento social. A ditadura dissimulada existe, com vestes que nem todos sabem decifrar... refugia-se na hipocrisia das formalizações estereotipadas e caducas, e é-nos apresentada em embalagens coloridas para iludir o sentido da verdadeira luz.

Existe uma perigosidade real, por vezes com laivos caricaturais, de no futuro que é o hoje consciente, as pessoas serem tratadas como coisas,  controladas e cilindradas por sociedades secretas... mas há quem recuse compactuar com o circuito fechado, irradiado em tentáculos poderosos no domínio da justiça, da política, da economia... 

Para alguns a inteligência mantém-se na razão, nos números, nas formas e fórmulas arquitectadas para provar a estupidez reinante... mas de reinos e tronos ocos está este mundo mais que povoado. E a inteligência emocional e espiritual onde fica na encefalia destes senhores reinantes?  

Há uns dias ouvi uma notícia, que não sendo importante, revela o lado caricatural destes políticos mesquinhos, traçado a régua e esquadro escamados,  mas de arquitectura e arte nada entendem, e provavelmente estão na era da desaprendizagem da tabuada decorada  ou do nome seguido no estreitamento cronológico de todos os reis e rios... sem entenderam o sentido das leis da natureza e da matemática, como o fluir da história da humanidade lida por dentro da alma...  ora, a notícia, dizia assim: "quem não responder aos censos 2011, será multado e terá um polícia à porta" - um pequeno exemplo da estupidez que nem na época medieval existia, quando se queimavam livros e gentes, com medo de revelação de algumas verdades anti-sistémicas.

Será que alguém se interroga sobre as grandes mudanças interiores do ser humano? Claro que não, pois o que importa para os sisudos formais, que se esqueceram que tudo nasce de dentro e não o inverso, continua a ser esta ditadura económica dos números, dos défices, das metas orçamentais, das concorrências, das competitividades, das sustentabilidades, das formalidades sem substância… e outras "ades" que substituo por "odes"… pelo valor da palavra, da importância do Amor, do sorriso, da solidariedade activa, do despojamento de velhos egos, e da entrega incondicional à vida que pulsa de dentro para fora…

Desde a política à justiça, que encontramos muitos casos que ilustram em tons desconectados, a redoma sépia e macambúzia dos sorumbáticos  do sistema perverso. As regras hipócritas que subsistem, à custa de jogos e manigâncias da classe política, das infiltrações de sociedades secretas, nomeadamente em processos judiciais, em compadrio com sectores da actividade económica…

Enquanto cada um não entender que a verdade vem da integração dos opostos e não da separação dos mesmos, vamos continuar nos jogos castradores da justiça e da verdade, das mentiras moldadas na forma  e na falta substancial dos descompensados de paz e de harmonia...

Mas, Deus continua a sorrir… em silêncio …

“… passamos a vida a medir as sombras da Terra, é tempo de começar a decifrar a escrita dos céus…”, António Alçada Baptista, in “O Riso de Deus” [1994].


9 comentários:

  1. Cris

    Partilho desta tua análise. Lamentavelmente, o Ser Humano mantêm-se cada vez mais, inebriado pelo poder( de qualquer espécie) e, simultaneamente, mais afastado de si próprio. Tal é verdade para quem controla e para quem é controlado. Se reparares bem, tudo navega no mesmo sentido, apenas se assustam, aqueles que gostam de, humildemente, ouvir o vento no cume das árvores, sabendo que o mais importante é o que circula em seiva, dentro delas.

    Beijinho, gosto de te ver regressar aqui! :-)

    ResponderEliminar
  2. Faz todo o sentido o teu comentário, não por concordares com a minha opinião, mas pela coerência da linha de raciocínio das tuas palavras.
    No entanto, continuo a acreditar na espécie humana, mesmo nos seus retrocessos...

    Um beijinho e obrigada por passares por aqui :)

    ResponderEliminar
  3. Voltaste em grande Cristina...um texto que reflecte toda a actualidade e as suas problemáticas... também eu partilho das tuas observações e críticas...tudo condensado num só texto!!! Fenomenal!!!

    O que caminho que seguimos conduz-nos a uma beco sem saída...as questões verdadeiramente importante para o ser humano estão sendo relegadas nem sei bem para que plano...

    As pessoas crescidas enlouqueceram...

    Beijo e bom dia

    ResponderEliminar
  4. Mar dos aflitos

    Vibra-me nas veias a tristeza feita consciência humana
    Acalento o desalento no coração
    Governantes e senhores que tendo o dever de orientar
    Jogam prazenteiros com o sentir mais malévolo
    De injustiças e maldades sem punição
    A cobiça a vaidade a luxúria sem limites
    Manipulam deixando a sociedade sem orientação

    E assim deslizamos em desespero
    Numa avalanche desenfreada
    Os seres são arrastados em enxurrada
    Que se desfazem esqueletos com sabor a fel
    Da perenidade beleza e bem-estar erradamente convictos
    Pois em alterações constante neste mundo venal
    Somos inevitavelmente empurrados
    Para o mar lodoso dos aflitos

    A plutocracia em lugar de fortalecer o Homem
    Torna-o fraco minando a sua consciência
    E iludindo o seu ego torna-se uma criatura
    Que desvaloriza a vida e não se respeita a si mesmo
    Ilude em imbecilidade o seu ego
    Afunda-se num egoísmo de inaptidão
    E entrando em jogos de embuste torna-se cego

    Que a semente humana renasça pura e sem mácula
    Mesmo no lodo do lamaçal imenso
    Porque ao homem é dado um estatuto imperativo de responsabilidade
    Porque há valores que não se compram nem vendem
    Fazem parte da essência humana
    E devem florescer livres e em dignidade!

    ResponderEliminar
  5. Gostei desta tua reflexão.
    Voltarei.

    ResponderEliminar
  6. Apesar de este post ter quase um ano, está actualizadíssimo, infelizmente. A tua análise é óptima e o estado das coisas tem piorado, no entanto tenho esperança em pequenos grupos e em alguns jovens que fazem o teu raciocínio e tentam dar vida às pessoas e ao ser. Começo a sentir que temos urgentemente que deixar de ser prisioneiros deste terrível sistema económico e é preciso que cada um faça a sua parte.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. O Amor é complexo, mas é lindo,
    muito lindo! Quando ele .
    Acredite no Tempo, na Amizade,
    na Sabedoria, e principalmente no Amor.
    A verdadeira amizade supõe um pacto de fidelidade,
    uma capacidade de dar sem esperar resposta.
    Em nome desse amor , que estou aqui hoje.
    Um dia especial..especial de verdade.
    O aniversário da minha princesa(Lara)
    por isso venho convidar para uma visita no meu blog.
    Uma semana abençoada e na paz.
    Beijos no coração ,Evanir


    ResponderEliminar